Como eram feitas as cirurgias sem anestesia no século 19

Artigos

HOME > ARTIGOS > Artigos,Destaque > Como eram feitas as cirurgias sem anestesia no século 19

Como eram feitas as cirurgias sem anestesia no século 19

 

Imagine se você tivesse que fazer uma cirurgia sem anestesia.

Antes de 1846, quando usaram drogas para entorpecimento da dor pela primeira vez, isso era algo bem normal para as pessoas.

As formas brutais

De forma brutal e sem qualquer ajuda de remédios, os cirurgiões cortavam os pacientes, quebravam ossos, retiravam órgãos e costuravam artérias.

Enquanto essas pessoas permaneciam completamente conscientes.

Só de imaginar dá para sentir dor, não acha?

O Livro

As imagens a seguir foram tiradas do livro Intervenções Cruciais.

Que incluem ilustrações detalhadas de textos raros de procedimentos cirúrgicos nos séculos 19, 18 e 17.

“Um espetáculo humilhante da inutilidade da ciência”

Essas imagens, um tanto chocantes (mesmo se tratando de ilustrações feitas à mão), mostram globos oculares sendo perfurados.

Cérebros sendo cortados e pés sendo amputados, tudo sem anestesia, naturalmente.

O mais chocante de tudo é imaginar que sofrer a dor do corpo sendo cortado e aberto foi normal até o século 19.

Ou seja, já três séculos atrás, quando o campo da medicina foi presenteados com grandes avanços.

Como eram feitas as cirurgias

1.

Essa imagem corresponde a um livro de cirurgia ocular de 1846.

Consiste de um exemplo para corrigir o ‘estrabismo’, ou seja, o desalinhamento dos olhos.

2.

O livro de 1846 também mostram cirurgiões realizando uma cirurgia para remover o câncer de língua.

Primeiro língua era cortada em duas e, em seguida, o tumor era removido.

Nesse tempo a anestesia ou anti-sépticos ainda não tinham sido inventados!

3.

Médicos amputavam os dedos das mãos e pés com uma faca simples.

Antes do século XIX, as operações eram bárbaras, e a maioria dos pacientes morria de choque pós-operatório, infecção ou perda de sangue.

4.

Uma litografia mostra o doloroso processo de cesariana antes de ser usado anestésico.

A taxa de mortalidade era de 80% em alguns hospitais em Londres.

5.

1841, cirurgia para remover a mama.

6.

Médicos reconstruindo a mandíbula inferior para evitar doenças da boca.

Em 1865, Joseph Lister descobriu o anti-séptico, permitindo que os cirurgiões executassem operações mais complicadas.

7.

Imagem de 1841 mostra como era costurar uma artéria na região da virilha com suturas.

Você tinha que comprimir o abdômen para reduzir o fluxo sanguíneo.

8.

Essa imagem de 1844 mostra uma seção transversal vertical do cérebro humano.

9.

Esses eram os instrumentos cirúrgicos utilizados por volta em 1840.

10.

Imagem de um livro, por volta de 1675, mostra o tratamento da fístula lacrimal (uma lesão perto do olho), em uma freira

11.

Ilustração de um livro de 1846 mostra vários procedimentos cirúrgicos.

O livro foi criado pelo historiador médico Richard Barnett.

12.

Ilustração de 1866 revela como amarrar as artérias do antebraço e cotovelo para parar o fluxo de sangue.

13.

Um diagrama de um livro de 1848 mostra a anatomia da artéria axilar e axila.

O recipiente que transporta o sangue para o pescoço e abdômen. É amarrado para parar o fluxo de sangue.

14.

Imagem de 1675 mostra uma operação no peito de uma mulher.

Foi feita para reduzir o órgão.

15.

Esta imagem de 1675 mostra como o sangue tinha de ser removido para prevenir doenças.

16.

Diagrama de um livro de 1856 mostra um peito dissecado.

A fim de revelar os pulmões, coração e grandes vasos sanguíneos.

A Narração

O livro, elaborado a partir da biblioteca de Wellcome Collection e narrado pelo historiador e médico Richard Barnett.

O livro compila imagens e informações de inúmeros livros cirúrgicos raros, reverentes à medicina nos séculos 17, 18 e 19.

Por fim, pedimos graças que a medicina ta muuuuuito moderna! Ufa!

E agradecer a todas as pessoas que tiveram que passar por isso.

blog comments powered by Disqus

Últimas novidades

O periódico científico 'British Medical Journal' relatou o caso e chamou a atenção para a impo

Estudante italiana disse que não tem nenhuma formação na área, mas não perde um episódio do pr

Atropelada não identificada vive no hospital da PM, em Vitória. Coronel Potratz não perdeu a es

Um pai cruzou os Estados Unidos de bicicleta para ouvir o coração da filha bater no peito de outro

Estudo mostra boa resposta em mais de 90% dos casos de mieloma múltiplo e dá esperanças de cura.

Função de Alpha é alertar seu dono Andrew, que tem diabetes, sobre mudanças no nível de açú

Visite nossos outros projetos: