Artigos

HOME > ARTIGOS > Destaque,Dicas de Estudo,Enem > Como calcular a nota do Enem – Um Guia Prático

Como calcular a nota do Enem – Um Guia Prático

O objetivo deste artigo é te ensinar a calcular a nota do Enem de maneira simples e prática. Vamos falar sobre a TRI, que é a metodologia utilizada no Enem para fazer o cálculo da nota e, principalmente, dar dicas sobre como você pode melhorar seu desempenho tendo com esse conhecimento.

Você pode me perguntar: mas só o fato de eu saber essas técnicas eu posso conseguir melhorar minha nota? A resposta é um belo SIM, você pode. Acima de tudo, leia o artigo até o final e entenda como.

O que é a TRI – Teoria de Resposta ao Item?

A TRI é uma ferramenta estatística utilizada para fazer calcular o resultado de testes levando em consideração outras variáveis que não são apenas a quantidade simples de acertos e erros.

Lembra quando na escola você fazia um simulado e sua nota final era a soma simples dos seus acertos e erros? Exemplo: o simulado tinha 40 questões, se você acertasse 23 questões, sua nota final era 23).

Esse modelo é chamado de TCT, ou Teoria Clássica de Testes e leva em consideração apenas a quantidade de acertos e erros.

Por que a TRI é diferente?

A TRI é leva em consideração outros fatores, como por exemplo, o grau de dificuldade da questão, a probabilidade de quem resolveu a questão ter chutado, entre outros aspectos.

A principal diferença para o aluno, é que sua nota final, não é mais a soma simples dos seus acertos. Em outras palavras, isso significa que se você tem duas pessoas que acertaram 25 pontos em qualquer matéria, significa que as notas delas podem ser diferentes.

Por que adotar a TRI?

Um dos motivos que o Enem saiu do modelo clássico para a TRI é que ela é uma ferramenta estatística que permite que você compare o desempenho dos alunos em diferentes provas.

Acima de tudo, isso significa que se os alunos fazem uma prova hoje e uma ano que vem, é possível ter uma análise de comparação entre as provas.

Ou seja, a nota 700 neste ano e 700 ano que vem são equivalentes, ainda que se pense que uma das provas foi mais difícil que a outra, por isso é importante sempre observar a nota de corte do seu curso.

Como Funciona a TRI no Enem

Para a análise das questões do Enem, são levadas em consideração 3 parâmetros:

  1. Parâmetro de diferenciação (a) (no gráfico abaixo, é a curva vermelha)
  2. Parâmetro de dificuldade (b) (no gráfico abaixo, é o eixo x)
  3. Parâmetro do chute (c) (no gráfico abaixo, é o eixo y)
TRI no Enem
Imagem 1 – TRI no Enem

Uma vez que você entende o que significam os parâmetros (principalmente os relacionados a dificuldade e probabilidade de acertos), você estará pronto para entender alguns aspectos relevantes sobre como a TRI é calculada e como você pode usar ela a seu favor no Enem.

Como é calculada a nota do Enem

A nota final do Enem é calculada utilizando a TRI, como já foi mencionado. Isso significa que não basta você acertar muitas questões, você precisa acertar as questões certas.

O que eu quero dizer com isso? Vamos para um exemplo prático para ficar mais claro. Veja a imagem abaixo:

Como calcular a nota do Enem
Imagem 2 – Régua TRI Enem

Vamos para uma breve explicação sobre a imagem:

  • A regra representa o parâmetro B da Imagem 1, ou seja, o grau de dificuldade da questão. Quanto maior o parâmetro, mais difícil é a questão.
  • Cada círculo representa uma questão. Um círculo verde com um “check” representa um acerto e um círculo vermelho com um “x” representa um erro.

Como calcular a nota do Enem? Entenda o cálculo

A TRI entende que o aluno que acerta mais questões difíceis e menos fáceis não tem competência suficiente para resolver as questões difíceis, ou seja, considera que ele chutou as questões difíceis e este tem a nota penalizada.

Só de olhar para a imagem 2, já podemos inferir que:

  • O número de acertos dos dois participantes é o mesmo;
  • A nota do participante A foi mais alta que a nota do participante B;
  • O participante A acertou mais questões fáceis e médias e o participante B acertou mais questões médias e difíceis;

Tendo uma análise inicial, poderíamos dizer que a nota do participante B teria que ser maior, sendo que ele acertou as questões mais difíceis, certo? Para a TRI isso é errado.

Lembrando que essa análise é feita questão a questão. Para o cálculo da nota final, a média simples das cinco notas é aplicada. Supondo que você teve as seguintes notas:

  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias: 734,2
  • Ciências Humanas e suas Tecnologias: 723,4
  • Matemática e suas Tecnologias: 812,3
  • Linguagens e suas Tecnologias: 703,4
  • Redação: 880

Sua nota final é a média simples das 5 notas, ou seja:

  • (734,2+723,4+812,3+703,4+880) / 5 = 770,66

7 dicas para utilizar a TRI para melhorar sua nota no Enem

Agora posso considerar que você já entende a base de TRI (digo base porque não faria sentido entrar na análise estatística de como funciona esse cálculo) e já podemos avançar para um ponto mais relevante: como utilizar esse conhecimento de TRI para melhorar sua nota.

  1. Foque no básico primeiro: não adianta estudar assuntos mais difíceis sem você ter muita clareza sobre como está o seu conhecimento da base;
  2. Categorize as questões na hora da prova: fazer isso vai te ajudar a entender quais questões você deverá fazer primeiro. Lembrando que comece pelas fáceis, depois pelas médias e, por último, se der tempo, as difíceis.
  3. Use o relatório de assuntos mais cobrados: Eu desenvolvi um relatório dos assuntos mais cobrados no Enem onde eu coloco nele também o grau de dificuldade das questões. Acesse aqui o relatório de dificuldade das questões do Enem.
  4. Planeje e treine o tempo da prova: o Enem é uma maratona, lembre-se disso. Um corredor não se prepara para uma maratona da mesma forma que outro que vai competir nos 100 metros rasos. A dica é: quando pegar uma lista de questões fáceis pra fazer, tente fazer cada questão com 2 minutos e meio (que é menos tempo do que você terá na hora da prova);
  5. Você não precisa resolver as questões difíceis: “Se você acertar as fáceis e médias, a TRI não tem como saber se você chutou a questão difícil”. O que isso significa na prática? Se você focar nas questões fáceis e médias, você nem precisa perder tempo para resolver as questões difíceis.
  6. Dê atenção especial para Redação e Matemática: as análises estatísticas dos dados do Enem de anos anteriores mostra que nessas matérias a sua nota do Enem “estica” muito mais. Isso significa na prática que melhorar um pouco nessas duas matérias vai fazer sua nota aumentar muito mais do que melhorar um pouco nas outras.
  7. Treine para ser preciso: Não erre bobagem. Isso pode te prejudicar (e muito) nas questões fáceis. Sabe aquele famoso “errei besteira”? Pois é, isso não pode acontecer de forma alguma;

O que eu posso fazer com a nota do Enem?

Em primeiro lugar, grande parte das universidades federais brasileiras já utilizam o SiSU como única forma de processo seletivo. Mas a sua nota do Enem pode ser utilizada para outros processos.

Além disso, as universidades públicas, grande parte de faculdades particulares levam em consideração a nota do Enem para oferecer bolsas de estudo.

Adionalmene, com a sua nota do Enem, vocë também pode participar de programas do governo como o PROUNI (que oferece bolsas de 100% em diversas universidades privadas) e o FIES (programa de financiamento estudantil).

Julio Sousa

Macapaense de nascimento e goiano de coração. Fundador dos sites Projeto Medicina, Futuro Militar e Rumo ao ITA.


Destaques

Por mais que estudemos bastante, é muito comum nos depararmos com o angustiante momento em que tod

Com a chegada do novo coronavírus, como já é de conhecimento de muitos, precisamos suspender as

Você está perdido e não sabe o que estudar para o Enem? O artigo de hoje traz uma lista com 59 s

Tirar uma boa nota no Enem para ser aprovado no curso dos sonhos é o desejo de todos os estudantes

Atendendo demandas sociais, o Ministério da Educação decidiu adiar o Enem 2020. Datas serão adi

O ENEM digital, por ainda ser uma novidade para todos nós, educadores e educandos, tem despertado