O Primeiro Transplante de Cabeça. – Projeto Medicina

Artigos

HOME > ARTIGOS > Artigos,Destaque,Medicina > O Primeiro Transplante de Cabeça.

O Primeiro Transplante de Cabeça.

 

O primeiro transplante de cabeça poderá ocorrer em 2017.

A ciência já tem um histórico do procedimento, sendo que o primeiro documentado foi conduzido na década de 50 por Vladimir Demikhov em cães.

 

transplante_em_cachorros

Dr. Vladimir Demikhov

Em 1970 o Dr. Robert White tentou o mesmo com macacos obtendo a primeira cirurgia bem-sucedida do tipo. Embora White tenha demonstrado a viabilidade do método, ele não se preocupou em tentar fundir as medulas do macaco doador com o destinatário, por isso o animal ficou paralisado e não conseguia respirar sem assistência.

segundo_transplante_macaco

Dr. Robert White

Desde então, a medicina tem avançado muito, o que levou o neurocirurgião italiano  Sergio Canavero, que é diretor do grupo de neuromodulação avançada, que fica em Turim, na Itália a acreditar que esse transplante poderá ser realizado em breve em seres humanos. Canavero anunciou o plano de realizar o primeiro transplante de cabeça.

Ele revelou que fez experimentos em primatas e cadáveres humanos.

 

transplante_sucesso

Experiência em macacos

Canavero diz que o seu êxito mostra que o plano para o transplante de cabeça em um ser humano está indo pelo caminho certo. Segundo o cientista, o processo vai estar pronto antes mesmo do final de 2017 e pode ser uma forma de tratamento para a paralisia completa.

Canavero conclui: “É importante que as pessoas parem de pensar como algo impossível. É absolutamente executável e estamos trabalhando para isso”.

Este tipo de cirurgia dramática poderia oferecer esperança para pessoas cujos órgãos estão tomados pelo câncer, ou pessoas que sofreram acidentes graves. É por isso que Canavero está tentando recrutar uma equipe para explorar a técnica.

Durante uma palestra na Itália, o homem que quer fazer o primeiro transplante de cabeça em um ser humano esmaga uma banana em seu punho. Ela vira mingau – difícil de se juntar de novo. Mas se você corta a banana no meio com uma faca afiada, ele explica, não tem bronca. Não é tanto dano assim.

 

neurocirurgião

Neurocirurgião Canavero

Procedimento

Para realizar a cirurgia, a cabeça e o corpo do doador serão resfriados, para que as células permaneçam vivas mesmo sem oxigênio.

Posteriormente, os cirurgiões vão dissecar os tecidos ao redor do pescoço de ambos, para que as artérias e grandes vasos sejam interligados por meio de pequenos tubos.

Assim que as medulas estiverem cortadas, os médicos vão posicionar a cabeça do paciente no corpo do doador, unindo-as através do polietilenoglicol.

Por último, vão ser interligados os músculos e vasos sanguíneos. Para evitar movimentos, o paciente vai ser mantido em coma por um período de quase 30 dias. Enquanto isso, eletrodos que foram implantados no corpo deverão estimular a medula espinhal por meio de descargas elétricas.

Caso o uso do polietilenoglicol não funcione, Canavero poderá introduzir na medula espinhal células tronco ou uma classe de células olfativas autorregenerativas que conectam a mucosa nasal ao cérebro. Outra opção seria inserir membranas estomacais para promover a fusão — lembrando que ambas as técnicas apresentaram resultados promissores em diversos experimentos.

 

imagem_ilustracao

Onde será feito o corte

Estima-se que a cirurgia dure 36 horas e tenha um custo estimado de 11 milhões de dólares. Seriam necessários 150 médicos e enfermeiros no processo.

De acordo com especialistas como Hunt Bätjer, da Associação Americana de Cirurgiões Neurológicos, mesmo que as vias aéreas, coluna e grandes veias e artérias sejam fundidas com sucesso, a medula espinhal vai ser o problema real. “Eu não desejo isso a ninguém”, Bätjer afirmou.

 

imagem_ilustrando

Imagem ilustrativa

O voluntário para a cirurgia será Valery Spiridonov, um homem de 30 anos de Vladimir, na Rússia, que sofre de uma doença genética rara chamada de síndrome de Werdnig-Hoffman, uma doença neuromuscular hereditária caracterizada pela atrofia e fraqueza muscular progressiva.

“Estou com medo? Sim, é claro que estou. Mas não é apenas muito assustador, é também muito interessante”, argumenta. “Você tem que entender que eu realmente não tenho muitas opções… Se eu não tentar isso, meu destino vai ser muito triste. A cada ano meu estado está ficando pior”, revela Valery.

 

Valery_Spiridonov

Valery Spiridonov

Mas o que irá acontecer se esse transplante ocorrer com sucesso?! Pessoas que possuem doenças degenerativas poderão ter a chance de levar uma vida sem limitações. Mas os críticos avaliam que esse procedimento não pode ser realizado e que os resultados jamais serão os esperados.

Por fim, o primeiro transplante de coração sofreu bastante represália. Mas hoje em dia é umas das cirurgias que mais salvam vidas sendo que obtém resultados positivos.

Desde menina, sempre pensava em como fazer um transplante de cérebro. A medicina evoluindo, o desejo por conhecimento e ter em suas mãos a possibilidade de poder achar uma “cura” para as pessoas é tão fascinante quanto achar (e ter a certeza) que em breve teremos um transplante de cérebro ajudando pacientes que sofreram um AVC, Traumatismo Crâniano ou um Aneurisma.

O transplante de cabeça é mais um passo para a humanidade. Só que devemos olhar essas oportunidades como uma chance de fazer o bem para o próximo. E sim… Qual vestibulando de medicina não desejaria estar presente no momento dessa cirurgia?! Um fato histórico para a humnidade e você lá presente?!

Por isso, seu esforço nunca será em vão. Cada degrau que você sobe te leva a ser um desses grandes cirurgiões.

 

blog comments powered by Disqus

Últimas novidades

Muitos vêm o médico como herói, outros acreditam que é uma profissão glamourosa.Mas quem é

Imagine se você tivesse que fazer uma cirurgia sem anestesia.Antes de 1846, quando usaram d

O mundo sem câncer Imagine que sensação boa será acordar em um mundo onde ninguém mais precisa

“Eu não tenho nada a ver com os filhos das outras mães.” A recusa veemente de uma mulher em d

Sobrevivendo seis dias sem pulmãoMelissa Benoit, tem 33 anos de idade que sofre de fibrose c

Visite nossos outros projetos: